Gravidez e Espiritismo – A visão espírita da gestação

Gravidez e Espiritismo – A visão espírita da gestação

Avalie esta postagem

A gravidez segundo o Espiritismo: a relação mãe e filho

É óbvio que existe uma finalidade maior na gravidez. Tudo na vida tem um significado superior além do qual nós, míseros humanos encarnados, com visão limitada do universo, podemos pensar.

Penso que a gravidez seja a etapa final da reencarnação de um espírito, que antes esperava ansiosamente por esta nova oportunidade. É bem verdade que a ansiedade do Espírito para a nova encarnação na Terra, nem sempre é tão boa, mas querendo ou não, é uma dádiva.

Hoje, os nossos meios de saúde estão bem mais avançados, tentando impedir a gravidez indesejada, que por um lado diminui a atitude infeliz do aborto, mas por outro causaria um “engarrafamento” na fila de espíritos que anseiam por uma nova oportunidade de reencarnar e corrigir seus erros.

Para explicar melhor a gravidez segundo o Espiritismo, tomaremos alguns trechos do texto “Gravidez ante o Espiritismo”, de autoria de Carlos Cesar dos Anjos, publicado no Jornal da Federação Espírita do Estado de São Paulo.

gravidez segundo o espiritismo 2

“Tornar-se mãe é o desejo de muitas mulheres, apesar de que para algumas a gravidez poderá ocorrer de forma indesejada, mas de um jeito ou de outro, a futura mãe muda a sua vida nesse processo que envolve a gestação, nascimento, desenvolvimento e criação de um filho”.

“(…) Entre a mãe e o filho sempre há sintonia positiva ou negativa que fará com que ambos se interrelacionem e lucrem ao que concerne ao processo evolutivo com todas as suas variações possíveis. Os Espíritos, na erraticidade, pressentem a época em que vão reencarnar. Alguns se apressam outros recuam dela, temendo as provas pelas quais vão passar.”

“A medida que ocorre o desenvolvimento do feto o laço que os une vai se encurtando” (entre o corpo e o Espírito).
“Ele vai perdendo gradativamente a consciência de si próprio, por isso o Espírito jamais presencia o próprio Nascimento.”

Espiritismo e Gravidez – Das responsabilidades com a gestação

“Para que o feto se desenvolva da melhor forma possível é importante e gratificante demonstrar amor e respeito por ele. Ser pai e mãe é um compromisso que se assume perante as Leis de Deus.”

“Ser mãe é ter a possibilidade de exercitar o amor incondicional a um Espírito que nasce no papel de filho, mas que pode ser um amigo, que veio para cobrar dívidas do passado e com quem devemos nos reconciliar.”

“O Espiritismo nos esclarece a importância de gerar um filho porque isso nos acarreta um importante compromisso diante das Leis Divinas, permite dar ao Espírito a oportunidade de continuar prosseguindo em suas conquistas evolutivas e cabe aos genitores dar o amparo que for preciso para que essa jornada de aprendizagem seja o mais proveitosa possível.”

Gravidez e Espiritismo – Tentar engravidar sem sucesso ou ser estéril

espiritismo gravidez 2

“Às vezes, apesar de querer muito, o casal não pode ter filhos. Isso pode ocorrer por infinitos motivos, inclusive porque os desígnios para essa encarnação (do pai, da mãe ou de ambos) sejam outros, mas Jesus mesmo disse:

“…quem é minha mãe, quem são meus irmãos.” (Mateus 12:48), nesses insondáveis desígnios de Deus sabemos que em sua infinita bondade e justiça, ele só quer o nosso bem, por isso, com certeza não estamos sendo castigados, mas vivendo situações necessárias para a nossa ascensão evolutiva.”

“Se olharmos para o lado, veremos netos, sobrinhos e uma quantidade imensa de pequeninos seres que precisam de nosso amor, carinho e ajuda e, por muitas vezes, esse pequenino pode ser aquele filhinho que por infinitos motivos não nasceu de nosso ventre”.

Veja mais:

Fonte: Texto de Carlos Cesar dos Anjos. Disponível em: Jornal da Federação Espírita do estado de São Paulo. Ed nov. e dez. 2017.

 

Gostou? Então COMPARTILHE!

Hugo Gimenez

Hugo Gimenez é o editor do blog O Estudante Espírita. Fisioterapeuta formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), começou suas primeiras leituras da Doutrina Espírita com 15 anos de idade. Hoje em dia, se interessa não só por literaturas próprias do Espiritismo, mas também por assuntos de espiritualidade em geral.
Fechar Menu