Querida, Eu Quero o Divórcio! – Uma história emocionante

Querida, Eu Quero o Divórcio! – Uma história emocionante

Querida, Eu Quero o Divórcio! – Uma história emocionante
5 (100%) 11 vote[s]

Uma história para se emocionar e refletir.

O marido já insatisfeito com sua esposa, tinha uma amante que lhe pedia que se divorciasse para poder ficar com ela.

O homem convencido, pensou por vários dias como chegar em sua esposa para fazer o pedido.

Um dia ele saiu do trabalho, chegou em casa e viu a mesa posta. Não pensou duas vezes e disse:

“Querida, quero pedir o divórcio. Vou te dar 30% das ações da empresa, esta casa, o carro e uma boa pensão para você e nosso filho”.

Veja mais: Nunca saia de casa com raiva de quem ama, pode ser a última vez!

A mulher gritou, chorou, caiu em desespero, logo depois foi para o quarto e não deu mais resposta.

No outro dia o homem chegou em casa, viu a mesa posta novamente, e sua mulher sentada escrevendo uma carta.

Ela estava com uma vibração de ternura, amor e carinho.

E o homem vendo aquilo ficou abismado com sua atitude.

E então perguntou:

“Querida, você já decidiu sobre o divórcio?”

Ela respondeu:

“Sim, vou te dar o divórcio, mas com duas condições: a primeira é que você terá que esperar 30 dias, pois nesse período nosso filho vai prestar vestibular. A segunda é que você me carregue no colo do quarto para a sala todos os dias”.

Veja mais: Quando alguém entra na sua vida e depois vai embora, pode ser qualquer coisa menos amor

O homem abismado olhou para ela e perguntou:

– E se eu não o fizer?

Ela respondeu:

– Não lhe darei o divórcio, e vou fazer de tudo para arruinar a sua vida.

O homem aceitou a condição, e todos os dias antes de trabalhar carregava sua esposa do quarto para a sala.

Veja mais: Psicografia de um espírito que foi extremamente apegado aos bens materiais

Um dia seu filho vendo a cena disse: “Os pombinhos estão juntos de novo! Que alegria!

Passou o tempo, e no décimo quinto dia sua esposa usou o perfume da noite de núpcias e um vestido que a deixou interessante.

Mas ela estava magra, muito pálida. A cada dia ela estava mais sem cor, sobrava pano em suas roupas.

No vigésimo sexto dia, o homem foi a casa de sua amante e disse que não iria pedir o divórcio.

Ela revoltada xingou e bateu a porta.

Ele foi até uma floricultura, comprou um buquê com 12 botões de rosas vermelhas para sua esposa. Chegou em casa assoviando, feliz, foi até o quarto, sentou-se na cama ao lado de sua esposa.

Veja mais: Psicografia de Rafael que desencarnou lutando contra o câncer: “O que eu passei era a lição que eu precisava”

Ela virou de lado para ele, pálida, magra; ao seu lado havia uma carta que ela escreveu para ele dizendo:”

“Querido, lhe pedi 30 dias para o divórcio porque fui ao Oncologista e ele me disse que estava com câncer no útero, fatal, e não havia nada a fazer, e que num prazo máximo de 30 dias estaria morta.”

“Não quero suas ações, nem a casa, o carro ou o dinheiro.”

“Quero apenas lhe dizer que te amo e não queria que você se sentisse culpado pela nossa separação.”

Nesse momento sua esposa faleceu, deixando com ele o sentimento de arrependimento, por não ter demonstrado mais amor a sua companheira de tantos anos.

Disse certa vez o Dalai Lama, em uma de suas palestras:

“Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito; um se chama ontem e o outro se chama amanhã. Portanto, ‘hoje’ é o dia certo para amar, acreditar e viver”.

Veja mais: Psicografia de criança com Síndrome de Down pede que seus pais parem de se culpar pelo desencarne.

Gostou? Então COMPARTILHE!

Hugo Gimenez

Hugo Gimenez é o editor do blog O Estudante Espírita. Fisioterapeuta formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), começou suas primeiras leituras da Doutrina Espírita com 15 anos de idade. Hoje em dia, se interessa não só por literaturas próprias do Espiritismo, mas também por assuntos de espiritualidade em geral.
Fechar Menu