A Transição Planetária por Divaldo Franco

A Transição Planetária por Divaldo Franco

A Transição Planetária por Divaldo Franco
5 (100%) 8 votes

A Transição Planetária por Divaldo Franco — Jesus já falava sobre a Transição espiritual do Planeta Terra?

Veja abaixo o que o médium Divaldo Franco fala da Transição Planetária, a partir das interpretações do que Jesus já falava:

Divaldo Franco — Desde os dias em que Jesus esteve conosco que a sociedade experimenta uma grande expectativa. Merece recordar que Jesus estava em Jerusalém e ao sair do templo os discípulos disseram-lhe:

“Mestre! Que pedras, que construções!”

E Jesus com seriedade redarguiu-lhes:

“Em verdade em verdade vos digo, que não ficará pedra sobre pedra que não seja derrubada”.

Essas anotações constam do Evangelho de Marcos Capítulo 13 Versículos 1 a 32.

Atravessaram o Vale do Cedrón e foram ao Jardim das Oliveiras; ali de frente do templo os discípulos atemorizados com aquele prognóstico perguntaram:

“Dize-nos quando isto acontecerá! Quais são os sinais desses insucessos!”

E Jesus narrou o célebre sermão profético… Ele procura esclarecer que a sociedade passaria por tremendos períodos de dificuldades e desafios e que naturalmente naqueles dias tumultuosos, quem estivesse no campo não teria tempo de ir à cidade; aquele que estivesse no telhado não teria tempo de descer para poder reunir os seus objetos de valor e evadir-se das catástrofes.

E adentrando ainda mais na psicologia da criatura humana, reportava assim que os filhos entregariam os pais a justiça; os pais entregariam os filhos e haveria calamidades de todo porte; o sol perderia a sua luz; a Lua se banharia de sangue…

Diante O prognóstico fatídico tão grave ele continuou: “Se não fosse por amor do Pai aos seus eleitos, tudo isso se torna ainda mais grave porque estes sinais são apenas o começo”.

A Transição Planetária por Divaldo Franco — O que é a Transição Planetária e como diferenciar do que se falava sobre o Apocalipse

transição planetária espiritismo 2

Nesse trecho da entrevista Divaldo fala sobre Transição Planetária e Espiritismo, diferenciando da mitologia e dos absurdos que se pregam a favor do Apocalipse.

Divaldo Franco — São Mateus e São Lucas referem-se a essas catástrofes que estarão perfeitamente desenhadas mais tarde no Apocalipse de São João.

E vemos que através da história, o prognóstico do fim do mundo, do fim dos tempos, torna-se cada vez mais uma realidade.

A Bíblia faz essa mesma abordagem, referindo-se aos tormentosos dias no Vale do Armagedom. O Vale do Armagedom, também chamado Vale de Josafá, era o local que ficava no oriente médio por onde passava o todos os povos na direção de Israel.

Ali se travavam muitas batalhas principalmente dos egípcios, dos caldeus, dos babilônios e, naturalmente, os profetas previam uma batalha final que seria entre o bem e o mal. A batalha decisiva no Vale do Armagedom.

São os simbolismos que nós podemos interpretar e com a claridade soberana da Doutrina Espírita.

Quando Allan Kardec propôs a descoberta do mundo espiritual e ao apresentar O Livro dos Espíritos, naturalmente ele examinou o Evangelho, aqueles textos mais complexos e de difícil interpretação.

Naturalmente, a tese do fim do mundo veio à baila [foi mencionada] e Allan Kardec, estudando em “A Gênese” como deveria ocorrer a essas mudanças, apresentando uma nova geração.

Mas é em O Livro dos Espíritos, no capítulo sexto da terceira parte, a Lei de Destruição, Allan Kardec aborda com propriedade essas tragédias do cotidiano. E os Espíritos redarguem sem dúvida que é necessário que tudo se destrua para se renovar.

É um fenômeno natural porque vivemos no mundo das formas e o mundo da realidade é outra. Alan Kardec dá conta de que é necessário que ocorram essas mudanças tanto de natureza sísmica, nos fenômenos geológicos; como de natureza emocional, social, psicológica, econômica e particularmente da grande transição moral porque deve passar na sociedade.

Naturalmente o “fim do mundo” nos últimos tempos adquiriu o maior febricidade [falatório na boca do povo], quando os estudiosos do Calendário Maia estabeleceram o que o ano 2012 seria a etapa final, porque a partir dali os maias não mais estudaram os eventos do futuro.

É compreensível que se chegue a essa conclusão um tanto apressada. Isto porque o calendário maia data episódios desde antes da sua própria cultura.

Mas o que ocorre é a grande transformação conforme Allan Kardec, de mundo de provas e expiações para mundo de regeneração.

O que está acontecendo com o Planeta Terra nesse momento?

Divaldo continua seu discurso associando o fenômeno de Transição Planetária, Espiritismo e as catástrofes internacionais:

Divaldo Franco — A Terra também na sua condição de planeta evolve as suas placas tectônicas que ainda estão em constante mudança e ao lado disto, no seu estado mais primitivo, os metais, ainda estão superaquecidos, ígneos; as rochas estão todas liquefeitas na intimidade do planeta, que sofre os seus fenômenos naturais e, periodicamente essas falhas chocam-se produzindo as terríveis calamidades.

Então, estamos vivendo a grande transição. Muitos têm medo de que isso se faça alarmante de um momento para outro, total, que se caracterize por uma tragédia que venha destruir o planeta. Cabe o Espiritismo, doutrina racional, esclarecer que essas calamidades fazem parte de um processo; o processo de mudança.

Poderíamos consertar isso? Até certo ponto! Assim porque nós constituímos populações que nos caracterizamos pelo ódio, pela privacidade e muitas vezes invadindo cidades no passado, com armas de destruição incendiamos povoados destruirmos as colheitas, salgamos a terra para que nada pudesse ali ter vida e geramos carmas individuais e carmas coletivos.

transição espiritual do planeta terra 2

Desencarnamos e, por mais incrível que pareça, oportunamente as leis divinas nos unem numa viagem de avião que vai ser vitimado por qualquer problema de natureza mecânica, atmosférica ou de natureza da falha humana.

Noutras vezes, acidentes calamitosos nas estradas nos grandes feriados em que a imprevidência, o alcoolismo, o desespero das pessoas apressadas provocam desastres calamitosos quando retornam das férias; quando retornam do prazer, portanto, da invigilância humana.

Mas outros fenômenos que hoje já não temos mais: as pestes, como a peste negra; a invasão dos gafanhotos que devoravam todas as lavouras… já graças à tecnologia e a ciência da inteligência humana desapareceram quase que praticamente do calendário das tragédias internacionais.

Vivemos, então, essa questão dos transtornos das mudanças. Não haverá portanto aniquilamento da vida na Terra, o fim do mundo, destruição [total da Terra]… haverá morte! Mas a morte é um fenômeno biológico; esse fenômeno biológico faz parte do processo da vida. Para nós morrer, seja um acidente ou seja no leito, essa questão é de consequência apenas emocional porque encerra o ciclo da vida, mas não encerra a vida, porque nós continuamos a viver.

Dessa maneira, essas calamidades que tanto chocam estão dentro do mapeamento das nossas necessidades evolutivas. As autoridades representando o povo podem minimizar, tomando providências que são muito estudadas nos dias da calamidade, mas logo esquecidas assim que muda as paisagens e as temperaturas até o próximo ano, quando se repetem cada vez mais trágicas.

Nós estamos experimentando outras calamidades que são a poluição mental, a poluição moral, a poluição do egoísmo!

Essas expiações coletivas e dolorosas fazem parte do nosso processo da evolução. Não pensemos, portanto, que o mundo vai acabar, porque o fenômeno da morte nós é tão natural, que quando ele ocorrer naturalmente nós mudaremos de estágio vibratório e a Terra evoluirá lentamente na sua fatalidade que será sair do mundo de provas para um mundo de regeneração.

Neste mundo de regeneração desenha-se de uma maneira fascinante! Para nós após as grandes dores, as alegrias. Mas antes que essas dores aconteçam, não seria o caso de nós mudarmos de atitude mental, de gerarmos mais fraternidade, de mantermos a nossa família dentro de um clima de respeito, de equidade de de justiça?

Por que acontecem tantas desgraças com pessoas boas e aquelas que são generosas muitas vezes tem uma vida muito agradável? Por que existe tanta injustiça tanta impunidade na Terra?

Por que no relacionamento conjugal os indivíduos depois de passar o encantamento começam a experimentar animosidade, perseguições e parte desses mais perversos e cruéis na busca do seu destino, deixando, muitas vezes, lesionado os sentimentos familiares da construção do lar, ou da pessoa com quem conviveu em parceria afetiva e sexual?

O Espiritismo explica que existe uma lei no universo, a Lei de Causa e Efeito. Tudo aquilo que tem um efeito provém de uma causa equivalente; quando esse efeito é inteligente ou se é emocional e que ele me afeta; ele provém de uma causa que é idêntica.

Divaldo Franco e a Transição Planetária — O que esta acontecendo com o Planeta Terra e o que a Lei de Causa e Efeito tem a ver com a transição espiritual do Planeta Terra?

que esta acontecendo com o planeta terra 2

Divaldo Franco — Lei de Causa e Efeito proporciona a reencarnação. A reencarnação enseja colocar os indivíduos que se comprometem na beira do abismo para se fazer os necessários resgates.

No caso das perturbações humanas; dessas impunidades tanto políticas, policiais, sociais, domésticas de relacionamento, elas não ficam realmente esquecidas na Lei porque elas se inscrevem no perispírito daquele que pratica o mal e, mais cedo ou mais tarde ele renasce sob a injunção do resgate.

Vemos, por exemplo, o indivíduo perverso que se compraz na crueldade, no adultério, na prostituição, na corrupção dos costumes, no crime; e eles triunfam sob o aplauso popular, mas nos perguntamos: mas onde?

Olhemos agora: aqueles que nascem com a vida ceifada, aqueles que nascem sem cérebro, aqueles que nascem com acromegalia, aqueles outros que nascem com os transtornos mentais, aqueles que apresentam as terríveis deformidades físicas, que desde o berço trazem essas anormalidades congênitas.

São eles aqueles aqueles perversos, aqueles que não foram justificados pelos códigos das leis humanas e não foram momentaneamente alcançados pelos códigos divinos; agora renascem para pagar. Ninguém permanecem impune porque onde o indivíduo vai, também vai, assim, a sua consciência. E a consciência é o juiz, é o advogado, é o promotor; mas é também a testemunha severa que lhe aponta o erro.

Também esses, serão vítimas (ou seremos) das calamidades gerais do grande momento de transição do planeta.

Eles, muitas vezes, estão numa boa posição econômica, e vem uma tragédia dessa natureza arrebatando as vidas as quais se vinculam profundamente, ou mesmo levando-os a enfermidades muito graves, transtornos terríveis de natureza psicológica; ou mesmo ceifarem alguns órgãos, serem vítimas de acidentes que ele despedaça o corpo e colocados nos no cárceres de uma matéria, numa prisão sem grades para expiar.

Nós poderíamos passar pela grande transição sem a necessidade do sofrimento se amassemos! Se amássemos de tal maneira que o nosso bem anulasse o mal que nós fizemos, mas como egoísmo ainda é para nós a grande ferida que parece avisar o nosso entusiasmo da combustão da vida; ele nos dominando, nos faz que erremos e reajustemos, pequemos e voltemos a nos reabilitar.

E Allan Kardec falou que um dia a terra será habitada por espíritos felizes, tanto encarnados como desencarnados.

Transição espiritual do Planeta Terra: Quando começou e como terminará?

Divaldo Franco — E nessa grande transição que se vem ocorrendo desde os anos de 1970 quando o Sistema Solar, segundo Harley, o grande astrônomo e outros, estaria adentrando na faixa imensa de fótons que envolvem a grande estrela de Alcione para criar em todo o Sistema uma outra psicosfera.

E que por volta do ano 1988 e 90 a terra entrava por sua vez novamente nessa camada de fotos, onde ficará por quase dois mil anos. Na vez anterior que isso ocorreu, os indianos deram o nome de O Período das Trevas ou Kālī Yuga.

transição planetária espiritismo segundo divaldo franco

Agora, acercando-se o nosso planeta de entrar nesse imenso oceano de fótons, naturalmente haverá a grande migração de Espíritos nobres de Alcione para o planeta terrestre.

Mas ao mesmo tempo os maus… esses que se integram as falanges do mal, da crueldade; os fabricantes de armas inteligentes, de armas de destruição total, não apenas da vida humana, mas também da vida animal, da vida vegetal; os comerciantes de vidas que se comprazem seduzindo crianças e jovens para o comércio da prostituição; os responsáveis avarentos pela fome…

Esses governantes os quais respeitamos a todos, embora não concordemos com grande número deles… Eles serão exilados do planeta!

As bestas dos campos de concentração que ceifaram 6 milhões de vidas não mais  encarnarão na Terra, não haverá possibilidade psíquica… irão para mundos inferiores.

Enquanto que os nobres espíritos no período de Péricles, no século V; aqueles filósofos, aqueles pais das ciências empíricas; os grandes pensadores do período pré-cristão; aqueles grandes idealistas da escola neoplatônica de Alexandria; os grandes renascentistas; os cientistas a partir do século XVI e XVII; os técnicos na área da ciência profunda, da nanotecnologia, do holograma, da astrofísica… Eles reencarnarão para promover o Planeta Terra!

Veja mais:

Fonte: Entrevista de Divaldo Franco ao Programa Transição, disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=H2cSrAb7WW0.

Veja aqui a mais recente edição do Programa Transição, onde é discutida a Transição Planetária e espiritismo a partir do discurso de vários expositores:

 

Gostou? Então COMPARTILHE!
Fechar Menu