O casamento gay na visão do Espiritismo

O casamento gay na visão do Espiritismo

O casamento gay na visão do Espiritismo
5 (100%) 10 vote[s]

O casamento homoafetivo e as mudanças ao longo dos tempos

Casamento… quem nunca imaginou a cerimônia dos sonhos? A união de duas pessoas que se amam de verdade, uma celebração que acontece com os amigos e com os parentes, mas que, na verdade, esse ritual do matrimônio nem sempre tem disponível para todo mundo.

Nesta matéria vamos falar sobre o casamento homoafetivo de uma forma mais humana e consciente.

A homossexualidade, por muitos anos, foi considerada como uma espécie de desordem mental. Por esse tipo de pensamento ignorante até hoje a comunidade LGBTI+ sofre preconceito e discriminação.

Em 1973 Associação Americana de Psiquiatria retirou a opção sexual, como era conhecida na época, da lista de transtornos mentais e do rol de transtornos psicológicos.

Veja mais: Como entender o atentado à escola em Suzano (SP) na visão espírita?

Já em 1991 foi a vez da Organização Mundial da Saúde excluir o “homossexualismo” da classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde, por isso, nós não usamos mais esse termo, e sim a palavra “homossexualidade” para se referir a orientação sexual homoafetiva, sem indicar nenhum traço de Patologia.

O Espiritismo, a homossexualidade, o casamento homoafetivo – A favor ou contra?

casamento gay espiritismo

Essa questão de explicar a homossexualidade não corresponde aos objetivos da proposta Espírita. O que nós precisamos compreender é que cada espirito ao reencarnar tem que fazer as suas escolhas, tem a sua liberdade, auto-respeito, auto-consciência e respeito ao próximo.

Quando o espírito tem possibilidade de escolher nascer homem ou mulher, a escolha significa a possibilidade não de ser homem e de ser mulher, mas a possibilidade de escolher as provas que ele precisa para recuperar-se na sua evolução.

Veja mais: Psicografia de Antônio – “Acreditei que minha vida estava resolvida por ser espírita”

Poucos de nós escolhemos as nossas próprias provas. A maioria de nós é orientada pela espiritualidade superior, porque reúne as condições para que nós possamos vencer os nossos desafios, isso na maioria dos casos.

Toda vez que nós nos posicionamos, dando direitos…. direitos dos cidadãos, direito de ser sem querer que a outra pessoa se autodetermine com as nossas convicções, isso é um avanço! Um avanço que significa evolução da sociedade.

Este é um dos passos mais importantes que nós homens temos no sentido da evolução. Todos nós temos um potencial evolutivo muito maior, então claro que não é retrocesso! São avanços que as famílias modernas vão se constituindo, vão construindo à traduções novas, aos novos modelos.

Allan Kardec, no “O Livro dos Espíritos” faz alguns questionamentos acerca da sexualidade humana, na questão de número 200:

200. Os Espíritos tem sexo?

— Não como o entendeis, porque os sexos dependem da constituição orgânica. Há entre eles amor e simpatia, mas baseados na afinidade de sentimentos.

Veja mais: Querida, Eu Quero o Divórcio! – Uma história emocionante

No entanto, o que será que ele quis dizer com isso e como conseguimos interpretar esse texto nos dias de hoje?

“Não como entendeis”, que significa? Que eles têm (sexo)! Mas não na expressão física, essa que conhecemos, mas sim numa condição de espiritualidade, ou seja, quando estamos na espiritualidade nós estamos na condição da bissexualidade. O texto fala das duas possibilidades, as duas polaridades estão, ali, manifestas.

As mudanças na legislação

Atualmente, a lei não estende o direito ao casamento para comunidade LGBTI+, mas também não a proíbe, como podemos ver no artigo 226 da Constituição Federal:

§ 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

§ 4º Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes.

Veja mais: Chico Xavier conta sobre um dia em que chorou muito

Em 2013, houve um avanço significativo no Conselho Nacional de Justiça, que emitiu uma resolução obrigando todos os cartórios do país a realizarem casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Desde então, 19.522 casais de pessoas do mesmo sexo formalizaram matrimônio segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com certeza o matrimônio é um sonho de muitos, mas o que você faria se não pudesse casar com seu parceiro apenas por causa da sua orientação sexual?

Essa é a realidade vivida por boa parte da comunidade LGBTI+ na maioria dos países. O reconhecimento legal de uma união estável acaba ficando em segundo plano, já que ele sofre represálias apenas pelo fato de existirem.

Veja mais: Que tipos de sintomas os fluidos do Carnaval podem causar nos sensitivos?

Os espíritas ortodoxos, as visões antigas e o casamento gay

casamento homoafetivo visao espirita

Agora, vejamos o que diz o Livro dos Espíritos na questão 202:

202. Quando somos Espíritos, preferimos encarar num corpo de homem ou de mulher?

— Isso pouco importa ao Espírito; depende das provas que ele tiver de sofrer.

Comentário de Kardec: Os Espíritos encarnam-se homens ou mulheres, porque não tem sexo. Como devem progredir em tudo, cada sexo, como cada posição social, oferece-lhes provas e deveres especiais e novas ocasiões de adquirir experiências. Aquele que fosse sempre homem, só saberia o que sabem os homens.

Ao observar esses trechos retirados dos principais livros que codificam o Espiritismo, a única questão que fica é: porque ainda existem estudiosos da doutrina espírita kardecista em classificar a homossexualidade e bissexualidade com uma disfunção grave do espírito?

Veja mais: O seu hábito de reclamar está destruindo sua vida e você não está percebendo!

Podemos entender esta postura de alguns espíritas muito ortodoxos, devido a uma ignorância, que deve ter partido de uma falta de estudo que viabilize uma concepção macro do ser humano.

Vivíamos numa sociedade que por alguns milênios se estruturou dessa maneira, ok! Porém, hoje, nós estamos nos referindo a um momento sócio-histórico. É um outro momento. As opiniões pessoais de muitos espíritas, muitas vezes, não estão atualizadas e ficam impregnados com seus preconceitos subjetivos.

Uma das grandes reivindicações dos homossexuais, hoje, é uma relação homoafetiva de forma plena: é o casamento, a constituição de uma família, adotar crianças, ou seja, a sua sexualidade no contexto mais saudável.

Ainda encontramos, no meio Espírita, pessoas que têm dificuldade em entender a homossexualidade e compreender o direito desse grupo social, mas ainda assim nós encontramos pessoas que entendem o conceito de “amarás o próximo como a ti mesmo”.

Veja mais: Diarista é demitida por ser espírita e recebe mais de 30 propostas de emprego

O Espiritismo e a aceitação da homossexualidade como uma coisa noral – Exemplos a se seguir

Em entrevista ao programa Pinga Fogo,Chico Xavier respondeu algumas perguntas sobre a homossexualidade.

Ele disse que era uma condição da alma humana e não deve ser considerado como um fenômeno espantoso e atacável pelo ridículo da humanidade.

Tanto como acontece com a maioria que desfruta de uma sexualidade dita normal, aqueles que são portadores de sentimentos homossexuais são dignas do nosso maior respeito.

O médiumRaul Teixeira é um deles e diz a seguinte frase: “O amor ão vê morfologia, o amor ama”.

Jesus em algum momento condenou a homossexualidade?

jesus nunca condenou homossexualidade

Há trechos do antigo testamento bíblico, tal como: “não te deitarás com um homem como se fosse mulher”, que demonstram ser contra o relacionamento de pessoas do mesmo sexo. Porém isto foi há 4 mil anos atrás. Para nós, Espíritas, é preferível que a nossa leitura se situe a partir do olhar de Jesus de Nazaré, ou seja, olhar Jesus de Nazaré não está no antigo testamento, mas sim nos Evangelhos.

Veja mais: O que fazer para controlar a ansiedade — Por Augusto Cury e Divaldo Franco

A partir do ensino de Jesus de Nazaré, não encontramos nenhum, mas nenhum versículo venha fazer condenações as pessoas do mesmo sexo que se amam.

Quando Paulo coloca em uma das suas epístolas de que “não se deitarás com homem como se fosse uma mulher”, isto é uma questão de cultura de época; é preciso que isso fique bem claro. A Bíblia pode ser uma referência, mas não podemos ficar centrados em manter culturas do passado em sociedades que estão em constante metamorfose.

Nenhum de nós vai ser avaliado por quem deitou, por quem deixou de deitar. Não é esse o critério que a espiritualidade superior vai usar para designar o que cultivamos em nosso espírito. A nossa condição de evolução será avaliada pelo quanto de bem nós espalhamos no mundo.

Esperamos que os esclarecimentos acima tenham sido muito oportunos para entendermos a questão do casamento homoafetivo de uma maneira mais fraternal do que carnal.

Fonte: O Livro dos Espíritos; TV Mundo Maior (vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=Sn5dM56Z7QE)

Veja mais: Como a carência afetiva afeta a sua saúde?

Gostou? Então COMPARTILHE!

Hugo Gimenez

Hugo Gimenez é o editor do blog O Estudante Espírita. Fisioterapeuta formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), começou suas primeiras leituras da Doutrina Espírita com 15 anos de idade. Hoje em dia, se interessa não só por literaturas próprias do Espiritismo, mas também por assuntos de espiritualidade em geral.
Fechar Menu