Notícias do Coronavírus no Brasil (sexta-feira, dia 20/03)

Muitos países da América Latina já estão copiando as medidas de quarentena obrigatória que foram colocadas na Europa.

Até do final deste mês, dia 31 de março, o Brasil terá suas fronteiras terrestres fechadas para nove países vizinhos.

Até ontem, dia 19 de março, o Rio de Janeiro já havia confirmado a morte de um senhor de 69 anos que vivia na cidade de Niterói, pelo novo coronavírus (Covid-19). Este foi o segundo caso de morte no RJ, pois o primeiro tratou-se de uma mulher de 63 anos, residente de Miguel Pereira. Ambos pacientes tinham diabetes e hipertensão.

Só em São Paulo já haviam morrido cinco pessoas. Mas o Ministério da Saúde fez atualizações dos seus dados, somando sete mortes no país causados pelo novo coronavírus. O Brasil já confirma 621 casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19).

Segundo as atualizações do G1, o Senado aprova decreto que reconhece estado de calamidade pública, permitindo que o governo eleve seu gasto público e descumpra a meta fiscal prevista para o ano.

A votação foi feita de maneira remota, ou seja, por meio de videoconferência, sem a presença dos senadores no plenário. É a primeira vez que isso acontece na história da Casa legislativa, em 196 anos.

Nos estados do Amapá e Mato Grosso já surgiram os primeiros casos de infecção com o coronavírus. No Pará já são dois casos com confirmação, enquanto que no Acre já alcança quatro casos confirmados.

O Ministério da Saúde decidiu anunicar que vai parar de divulgar casos suspeitos e apenas vai trabalhar com casos já confirmados e com as mortes.

Na tentativa de frear o avanço do coronavírus, o governador de São Paulo, Doria, decreta estado de calamidade pública em SP a partir de sábado, dia 21 de março. O decreto será publicado no Diário Oficial de sábado, permitindo que o governo tome medidas de emergência. O prefeito Bruno Covas (PSDB) também adotou a mesma medida para o município.

Há dias atrás estavam surgindo matérias na Internet, dizendo que a hidroxicloroquina, segundo os pesquisadores, poderia ter efeitos promissores no combate ao coronavírus. O remédio também conhecido pelo nome comercial Reuquinol é usado para o tratamento da malária desde os anos 1930, mas também já foi usado para combater doenças como artrite reumatoide e lúpus.

Porém, hoje, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), afirmou que uso de hidroxicloroquina contra o coronavírus não é recomendado para combater o novo coronavírus. A própria agência afirmou, dizendo que:

“Apesar de promissores, não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento da Covid-19. Assim, não há recomendação da Anvisa, no momento, para o uso em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação. Ressaltamos que a automedicação pode representar um grave risco à sua saúde.”

ANVISA

Os primeiros resultados com o uso da droga foram promissores, mas foi testada em um grupo muito pequeno em Marselha, na França, em 20 pacientes.

Os especialistas estão avançando nas pesquisas de drogas eficazes no controle e combate ao coronavírus, mas alertam que a automedicação pode causar um problema ainda maior do que o próprio coronavírus.

Veja mais: Coronavírus na visão Espírita por Divaldo Franco

Gostou? Então COMPARTILHE!
Avatar

Hugo Gimenez

Hugo Gimenez é o editor do blog O Estudante Espírita. Fisioterapeuta formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), começou suas primeiras leituras da Doutrina Espírita com 15 anos de idade. Hoje em dia, se interessa não só por literaturas próprias do Espiritismo, mas também por assuntos de espiritualidade em geral.