O que são íncubus e súcubus segundo o Espiritismo?

O que são íncubus e súcubus segundo o Espiritismo?

O que são íncubus e súcubus segundo o Espiritismo?
5 (100%) 4 vote[s]

Os íncubus e súcubus segundo o Espiritismo e a história do mundo

Os relatos de espíritos íncubus e súcubus são datados, segundo alguns historiadores, desde o tempo da Mesopotâmia.

No decorrer do processo histórico da humanidade, várias versões do que se imagina sobre os demônios íncubus e súcubus foram surgindo de acordo com a cultura local.

Foi no período medieval que a mitologia sobre os demônios íncubus e súcubus se popularizou ainda mais.

Os íncubus e súcubus, segundo o Espiritismo, existem ou não?

Na igreja católica, Santo Agostinho alimentava essa teoria sobre esses demônios. Um com características masculinas, os íncubus, que por sua vez obsediavam as mulheres durante o sono; do outro lado, os súcubus, representados por características femininas, obsediavam os homens durante o período do sono.

Ao desencarnar, Santo Agostinho percebeu que muito o que se pregava em suas vivências na igreja tinha seu fundamento, mas que não eram exatamente aquilo que a teoria priorizava, dessa forma ele ajudou muito o Espiritismo nessa questão da desmistificação de muitas questões.

Veja mais: Como identificar os sintomas físicos de obsessão espiritual?

E o Espiritismo vindo desmistificar, nos aconselhou a mudar a forma de vermos este assunto e associar os íncubus e súcubos, ou seja lá qual outro nome técnico que se possa dar. Estes não são exatamente demônios, mas simplesmente espíritos, ainda muito ligados a carne, que procuram pelo prazer sexual, encontrando as “brechas” naqueles que estão com as “portas abertas”.

Como os íncubus e súcubus, segundo o Espiritismo, nos afetam durante o sono?

O sono é o momento que o nosso corpo descansa das atividades do dia anterior e se prepara para o próximo. Enquanto nosso espírito se desliga temporariamente do corpo físico e visita o mundo espiritual, outros espíritos podem se aproveitar desse momento de fragilidade para interagir com o ser encarnado.

Figuras frequentemente ligadas aos demônios íncubus e súcubus são, na verdade, espíritos capazes de se materializar, utilizando diferentes formas de se aproximar do corpo em repouso para se aproveitar de sua energia, podendo até mesmo estabelecer relações sexuais.

Veja mais: O encontro de almas gêmeas segundo o espiritismo – Isso existe?

Esses Espíritos sugam a energia sexual de suas vítimas, que acordam com os sintomas do ataque, como vagas lembranças, extremo cansaço ou marcas físicas. A experiência do sexo com um espírito gera reações e interpretações antagônicas: há aqueles que se sentem bem, considerando o prazer que a relação traz; enquanto outros relatam absoluto terror, associando a experiência como um abuso.

Considerando a existência, um desencarnado pode fazer sexo com vivo?

Sim, um espírito pode fazer sexo com encarnado de duas formas: através do sonho ou através de uma materialização. Vamos falar inicialmente de como funciona o espírito para que nós entendamos o que seja a materialização e o que seja a relação através dos sonhos.

Quando dormimos, o nosso espírito liberta-se momentaneamente das amarras do corpo físico. Sendo assim, ele pode canalizar sua energia para o seu foco de interesse. E dentro desse foco de interesse, enquanto se dorme, sonha-se com aquilo em que o espírito está depositando seu foco de interesse. E é nessas atividades de foco onde eu vou dedicar toda a energia que ele tem disponível.

Veja mais: Espíritos que decidem permanecer na casa onde viveram

No sonho é possível que a pessoa realize seus desejos fazendo com que com que os envolvidos nesse sonho, por afinidade de pensamento, pensam como a pessoa que dorme. Então, pode-se ter um sonho erótico em que se tem uma relação sexual real entre um encarnado e um desencarnado durante o processo do sonho.

A segunda possibilidade seria através do processo da materialização. A materialização, como que ela ocorre? O espírito aumenta sua densidade; o seu perispírito torna-se muito mais denso para que se torne visível. Ele tem que agregar mais matéria ao perispírito e esses espíritos que tem essa capacidade conseguem se materializam e se apresentam como se fosse um ser carnal.

E aí sim ele pratica um ato sexual como se fossem duas pessoas encarnadas, pois a consistência da materialização do espírito foi tão grande, que ele se torna tangível, ele se torna palpável.

Se a pessoa gostar daquela sensação e não buscar frear aquela situação, o mesmo pode ocorrer frequentemente, mas se a pessoa não admitir aquilo, ela deve buscar mecanismos para evitar essa aproximação desse espírito intruso.

Veja mais: Magia Negra – Perigos e consequências do seu uso

Este espírito intruso, muitas vezes, é um espírito que tem alta afinidade com aquele que é procurado, e que possivelmente já tiveram relações em vidas anteriores, ou desejos muito grandes em vidas interiores que não foram se concretizadas. E dadas certas condições, isso pode se concretizar durante esta vida.

Então, pelo sonho o processo ocorre através da onda de pensamento e tais sensações podem ser tão prazerosas para aqueles que se deixam levar, que ela, a sensação, pode repercutir no corpo físico, levando o indivíduo ao orgasmo.

Um espírito se materializa na pessoa de seu desejo?

Esse espírito que se materializou, ele se materializa com a forma que ele quiser, desde que ele saiba montar essa forma. Para que a pessoa que será obsediada aceite mais facilmente ao ato, o espírito obsessor busca uma forma de atender os desejos íntimos daquele indivíduo, materializando-se no objeto de desejo, ou no parceiro sexual que a vítima idealiza.

Veja mais: Obsessores que instalam chips e implantes astrais – Por que?

Os íncubus e súcubus são espíritos obsessores que já tiveram alguma ligação a vítima em situações de vidas passadas?

Aqueles espíritos que se aproximam de nós, em qualquer circunstância, são espíritos com os quais nós já tivemos uma relação social. Essa relação social pode ter ocorrido através de uma agressão, através de uma violentamento, ou através de laços afetivos do passado.

Esse, sim, é que se aproximam de nós e influi muito mais em nossas vidas se compararmos com os desconhecidos.

Segundo o Espiritismo, como evitar o assédio desses espíritos chamados de íncubus e súcubus?

Em primeiro lugar, ao identificar o ataque em si ou a tentativa, mesmo que frustrada, deve-se orar. Orar não só como uma prática casual ou pontual. Mas fazer da oração um hábito.

Em segundo lugar devemos tirar a máscara do orgulho, olhar com sinceridade para os nossos hábitos e pensamentos que alimentamos diariamente:

  • Você faz uso de pornografia?
  • Você se masturba com uma frequência fora do normal?
  • Gosta de alimentar demais pensamentos sexuais durante o dia?
  • Faz prática de sexo por instinto, isento de sentimentos?
  • Já parou para pensar em “quem” são as pessoas com quem busca ter relações sexuais?

Veja mais: O Aborto na Visão Espírita

Essas e tantas outras perguntas você pode fazer a si mesmo e ir encontrando outras questões e falhas para tentar resolvê-las.

Evite cair na cilada da mídia, que induz a vulgarização e da suposta normalidade do uso da pornografia. Este assunto por si só já poderia ser tema de outra matéria, tendo em vista sua complexidade social, cultural e suas consequências no campo espiritual.

Mas no geral é isso! Devemos policiar onde estamos colocando nosso foco, nossa energia; para onde estamos direcionando nossos pensamentos e emoções. Ao identificar um foco sexual muito evidente, que procuremos desativá-lo.

Com certeza não erá tão fácil, pois muitas vezes já se tem um vício instalado, mas já será o início. De uma forma geral, a prática sexual saudável é um bom caminho.

Veja mais: Como fazem os Espíritos para aparecerem em fotografias?

FONTE: Transcrição de um documentário da TV Mundo Maior no YouTube.

Gostou? Então COMPARTILHE!

Hugo Gimenez

Hugo Gimenez é o editor do blog O Estudante Espírita. Fisioterapeuta formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), começou suas primeiras leituras da Doutrina Espírita com 15 anos de idade. Hoje em dia, se interessa não só por literaturas próprias do Espiritismo, mas também por assuntos de espiritualidade em geral.
Fechar Menu