Filha que desencarnou por meningite pede, em psicografia, para mãe ter mais fé

Filha que desencarnou por meningite pede, em psicografia, para mãe ter mais fé

Minha mainha Catarina. A vovó Cristina me auxiliar a escrever para você, porque as lágrimas correm abundante de meus olhos.

Vejo os seus remédios lá em casa… no seu tratamento. Mas vejo, sim, a sua dor tão imensa, que não poderia deixar de vir até você e poder dizer que vivo para sempre.

A Meningite só foi um jeito da vida me chamar para voar para outro céu, porque a Terra também está no céu. Estamos na mesma vida, mas não longe ou separadas.

Eu sei o quanto você lutou para chegar nessa casa [local em que se realizaria a psicografia], mas eu a “empurrei”, com a ajuda da vovó Cristina.

Veja mais: O poder do pensamento positivo para a nossa saúde

Quero deixar meu abraço forte de muita, muita, muita saudade de meu irmão Guilherme. Um dia entenderemos, de fato, a tal Meningite, mas a vovó Cristina tem me ensinado que não existe erros na vida de Deus.

Saudade de minhas amigas… Mas eu preciso que você se fortalecendo na fé e deixar o seu pensamento de desânimo.

Aqui tá tudo bem; a vida é bela, sabe mainha… e a gente pode ficar bonita também. Pode usar meu estojo de maquiagem lá em casa.

Veja mais: O que fazer para minha oração ser ouvida?

Sei que serei seu presente hoje, mas lhe digo…. de tudo que você falou que irei deixar o meu presente para você que pudesse marcar o seu rosto. Parabéns, mainha! Amanhã será seu dia e serei uma borboleta, chegando ao seu lado dizendo de minha presença.

Não desista! Cuide-se! Continue o tratamento médico, mas não deixe de cuidar de sua alma, buscando nosso amigo e médico Jesus.

Por favor, não deixe as nossas festas morrerem.

Cristina Luiza Garcia.

Veja mais: O Mestre e o Túnel – Uma lição para pessoas em desespero

Gostou? Então COMPARTILHE!

Hugo Gimenez

Hugo Gimenez é o editor do blog O Estudante Espírita. Fisioterapeuta formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), começou suas primeiras leituras da Doutrina Espírita com 15 anos de idade. Hoje em dia, se interessa não só por literaturas próprias do Espiritismo, mas também por assuntos de espiritualidade em geral.
Fechar Menu