Um médium pode prever o futuro? — A Visão Espírita

Um médium pode prever o futuro? — A Visão Espírita

Um médium pode prever o futuro? — A Visão Espírita
4.9 (98%) 10 votes

Um médium pode prever o futuro — Quem são médiuns e quem são profetas?

Se um médium pode prever o futuro, como ele faz isso? Será que ele pode prever o futuro a hora que quiser? São diversas obras espíritas que podem nos brindar com essa explicação:

Segundo o O Evangelho Segundo o Espiritismo, “atribui-se comumente aos profetas o dom de adivinhar o futuro, de sorte que as palavras profecia e predição se tornaram sinônimas. No sentido evangélico, o vocábulo profeta tem mais extensa significação. Diz-se de todo enviado de Deus com a missão de instruir os homens e de lhes revelar as coisas ocultas e os mistérios da vida espiritual”.

E o que seria um profeta senão um médium, não é mesmo? Mas devemos ter cuidado nessa classificação, pois todo profeta é, sem sombra de dúvidas um médium, mas nem todos os médiuns tem capacidade de profetizar, ou de predizer o futuro.

“(..) deu-se o caso de haver profetas que tiveram a presciência do futuro, quer por intuição, quer por providencial revelação, a fim de transmitirem avisos aos homens. Tendo-se realizado os acontecimentos preditos, o dom de predizer o futuro foi considerado como um dos atributos da qualidade de profeta” (O Evangelho Segundo o Espiritismo).

Eles estão presentes em todas as religiões. E devemos atentar o fato de que predizer o futuro não dá o direito de se fazer leituras frias ou de usar o seu dom na hora que lhe achar mais conveniente. A faculdade mediúnica que permite a predição do futuro é muito bem gerenciada pela espiritualidade e, nem tudo o que os Espíritos superiores sabem sobre um acontecimento iminente pode ser revelado.

pessoas que conseguem prever o futuro 2

Segundo o O Livro dos Médiuns (Allan Kardec), “Médiuns proféticos: variedade dos médiuns inspirados, ou de pressentimentos. Recebem, permitindo-o Deus, com mais precisão do que os médiuns de pressentimentos, a revelação de futuras coisas de interesse geral e são incumbidos de dá-las a conhecer aos homens, para instrução destes.

Se há profetas verdadeiros, mais ainda os há falsos, que consideram revelações os devaneios da própria imaginação, quando não são embusteiros que, por ambição, se apresentam como tais.” (Veja-se, em O Livro dos Espíritos, o n. 624 – “Características do verdadeiro profeta”)”.

Se um médium pode prever o futuro; ele o faz a hora que quiser?

pessoas que conseguem prever o futuro 3
La vidente, obra de José Benlliure Gil (Museo del Prado).

Na Revista Espírita de 1863 (Allan Kardec), temos o seguinte trecho: “(…) o exercício da mediunidade exige um profundo recolhimento, incompatível com a leviandade de caráter e a balbúrdia dos curiosos e que nada de sério se deve esperar nas reuniões públicas.

O Espiritismo desaprova toda experiência de pura curiosidade, feita com o propósito de distração, pois não nos devemos divertir com essas coisas. Os Espíritos, isto é, as almas dos que deixaram a Terra, dos nossos parentes e de nossos amigos, o que nada tem de divertido, vêm para nos instruir e moralizar, e não para alegrar os ociosos.

Elas não vêm predizer o futuro nem descobrir segredos ou tesouros escondidos. Vêm ensinar-nos que há uma outra vida, e como nos devemos conduzir para nela sermos felizes, o que é pouco recreativo para certa gente”.

Em A Gênese, Kardec esclarece que nada tem de sobrenatural o dom da predição (do futuro), mais do que uma imensidade de outros fenômenos. Ele se funda nas propriedades da alma e na lei das relações do mundo visível com o mundo invisível, que o Espiritismo veio dar a conhecer.

Esclarece também, que “aquele a quem é dado o encargo de revelar uma coisa oculta pode a receber, à sua revelia, por inspiração dos Espíritos que a conhecem, e então transmiti-la maquinalmente, sem se dar conta.

É sabido, ao demais, que, assim durante o sono, como em estado de vigília, nos êxtases da dupla vista, a alma se desprende e adquire, em grau mais ou menos alto, as faculdades do Espírito livre.

Se for um Espírito adiantado, se, sobretudo, houver recebido, como os profetas, uma missão especial para esse efeito, gozará, nos momentos de emancipação da alma, da faculdade de abarcar, por si mesmo, um período mais ou menos extenso, e verá, como presente, os sucessos desse período.

Pode então revelá-los no mesmo instante, ou conservar lembrança deles ao despertar. Se os sucessos hajam de permanecer secretos, ele os esquecerá, ou apenas guardará uma vaga intuição do que lhe foi revelado, bastante para o guiar instintivamente”.

Ainda segundo a obra citada acima, quanto maior for o grau de desprendimento material (entenda por evolução espiritual) da alma da pessoa, mais evidente será o dom que ela carrega.

Se um médium pode prever o futuro através dos Espíritos; quando esses Espíritos podem revelar o futuro para os médiuns?

mediuns previsao do futuro 2

Na obra Instruções Práticas sobre as Manifestações Espíritas, Kardec pergunta se os Espíritos podem predizer o futuro. “Tal é a pergunta que não escapa a todo novato. Diremos apenas uma palavra. A Providência foi sábia ao ocultar o futuro. Que tormentos nos são poupados por sua ignorância! sem contar que se o conhecêssemos, nos abandonaríamos cegamente ao nosso destino, abdicando de qualquer iniciativa.

Os próprios Espíritos não o conhecem senão em proporção de sua elevação e por isso os Espíritos inferiores que sofrem julgam sofrer sempre. Quando o sabem, não o devem revelar. Entretanto por vezes podem levantar a ponta do véu que o cobre; mas então o fazem espontaneamente, por considerá-la útil; nunca ao nosso pedido.

Dá-se o mesmo como nosso passado. Insistir nesse ponto, como sobre outros, quando eles se recusam a responder, é tornar-se joguete dos mistificadores“.

É preciso ter cuidado com médiuns que se dizem infalíveis e que se submetem à frivolidades e curiosidade de um público. A predição do futuro é um dom e como tal deve ser usada para o bem.

“O Espiritismo ainda nos ensina que os Espíritos não estão às ordens de ninguém; que eles vêm quando e com quem quiserem; que se alguém que pretendesse tê-los a sua disposição e governá-los à vontade, poderia, com boas razões, passar por ignorante ou charlatão; que tanto é lógico quanto irreverente admitir que Espíritos sérios estejam ao capricho do primeiro que chegue e pretenda evo­cá-los a toda hora e a tanto por sessão, para representarem o papel de comparsas; que há mesmo um sentimento instintivo de repugnância ligado à ideia de que a alma do ser que se chora venha a troco de dinheiro” (Revista Espírita de 1863).

Veja mais: Pesadelos frequentes e Espiritismo

Fontes:

  • O Evangelho Segundo o Espiritismo. Capítulo XXI – Missão dos profetas;
  • O Livro dos Médiuns. Segunda parte. Capítulo XVI;
  • A Gênese. As predições segundo o Espiritismo. Capítulo XVI;
  • Revista Espírita de 1863. Ainda uma palavra sobre os espectros artificiais e ao Sr. Oscar Comettant.

 

 

Gostou? Então COMPARTILHE!
Fechar Menu